Cozinha colaborativa: entenda como funciona essa nova tendência

December 30, 2019

 

Muitos empreendedores encontram dificuldades ao iniciar um negócio na área alimentícia por conta do alto custo inicial com freezer, forno, fogão, bancada, utensílios e mesas.

 

Por outro lado, a cozinha colaborativa surgiu como uma alternativa de baixo custo para quem quer ter acesso a um ambiente equipado para dar o primeiro passo.

 

Ela funciona como um aluguel de cozinha, tendência já bastante explorada nos EUA e que chegou com força no Brasil.

 

Com tamanhos e formatos diferentes, a cozinha colaborativa pode atender a qualquer necessidade: de uma youtuber à um chef de cozinha que precisa testar suas receitas.

 

Para isso, esse ambiente conta com equipamentos de uma cozinha profissional, como por exemplo fornos, resfriadores rápidos, ultracongeladores e processadores.

 

Neste artigo, você vai descobrir como funciona a cozinha colaborativa.

 

Como funciona a cozinha colaborativa na prática?

Como mencionamos, a cozinha colaborativa atende a diversas necessidades, sobretudo para quem está iniciando um negócio e não tem muito capital para investir.

 

Seu funcionamento é muito semelhante ao coworking, conhecido como escritório colaborativo ou compartilhado.

 

Na maioria das vezes, realiza-se a locação desse ambiente profissional para:

  • Iniciar um negócio;

  • Treinar profissionais;

  • Testar receitas para o restaurante;

  • Gravar vídeos para o canal do Youtube;

  • Aprimorar habilidades;

  • Testar um novo modelo de negócio.

No caso de iniciar um novo negócio, o empreendedor pode realizar a locação do espaço para atender clientes. A cozinha fica disponível o dia todo para ele e sua equipe organizarem, preparem e servirem os pratos.

 

Essa alternativa permite obter resultados ou testar a viabilidade do negócio antes de investir muito dinheiro em uma estrutura profissional própria. 

 

Validado o negócio, a maioria dos empreendedores que começa em uma cozinha compartilhada realiza a transição para um espaço próprio.

 

Outra possibilidade bastante comum com as cozinhas colaborativas é a gravação de vídeos para o Youtube. É possível registrar o preparo das receitas de forma profissional. Sem contar os cenários gastronômicos impecáveis, que tornam o vídeo ainda mais atrativo.

 

Em algumas ocasiões, esses ambientes também servem como estúdio para produtoras gravarem comerciais ou realizarem sessões de fotos de produtos alimentícios.

 

Para empresas que já possuem uma cozinha industrial equipada, ter uma colaborativa pode ser uma opção para desenvolver novos produtos ou testar equipamentos antes de adquiri-los definitivamente.

 

Cozinha colaborativa: uma oportunidade de negócio

Como a busca por cozinha colaborativa está crescendo no Brasil, vários empreendedores estão aproveitando a demanda para investir neste negócio.

 

Não por acaso, pesquisas indicam uma alta - impulsionada pelos realitys-shows da TV - na procura por cursos de gastronomias, tanto online quanto presencial. Isso significa que o número de potenciais clientes que irão buscar por essa solução tende a crescer.

 

Para montar uma cozinha colaborativa profissional, exige um investimento em equipamentos de ponta, como se fosse um negócio alimentício mesmo.

 

Afinal de contas, precisa atender as necessidades de potenciais clientes, como:

  • Chefs de cozinha;

  • Produtoras;

  • Alunos de cursos de gastronomia;

  • Youtubers.

Equipamentos necessários para cozinha profissional

Um requisito obrigatório da cozinha colaborativa é ter equipamentos profissionais. Entre eles, estão os da Engefood:

 

Pré-preparo
Produção
  • Fornos: Combinam calor seco com calor úmido e ainda permite o controle total sobre a temperatura, umidade e ventilação. Além disso, os combinados inteligentes permite a interação com o operador: basta programar, configurando a cocção, grau de cozimento, coloração e temperatura.

Resfriamento e congelamento
  • Resfriadores e ultracongeladores: descongelam e congelam em rápida velocidade mantendo o sabor, qualidade e propriedades do alimento.

Finalização
Higienização e Resíduos
  • Lavadoras: Com baixo consumo de água, alguns modelos chegam a lavar até 18 pratos com apenas 2,4L. Além disso, são projetados para lavar mais de 100 pratos por hora, garantindo a higienização dos utensílios.

  • Insumos

  • Tratamento de Lixo Orgânico: Trituradores e o WateXpress - os dois modelos processam de maneira eficiência resíduos alimentares, reduzindo em até 85% o lixo orgânico. Com esse tratamento adequado, reduz o desperdício de alimentos, evita o uso de lixeiras e elimina o mau cheiro da cozinha.

Os equipamentos Engefood agilizam todo o processo de uma cozinha: do pré-preparo ao descarte sustentável de lixos. Além de exigirem menos trabalho manual, eles contam com uma tecnologia de ponta, deixando o ambiente mais profissional e eficiente, com menos desperdício de alimentos e economia de recursos naturais, como: água, energia e gás.

 

Independente se você pretende alugar ou montar uma, a cozinha colaborativa veio para ficar.  Com toda a sua praticidade, ela ajuda a empreendedores a darem o pontapé.

 

Caso queira transformar essa demanda em uma oportunidade de negócio, converse com um dos consultores. A Engefood auxilia e fornece todo o material necessário para o desenvolvimento dos projetos junto aos parceiros. Sem contar todo o seu apoio na montagem, treinamento e manutenção de seus produtos.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque